Como lidar com metais na água da piscina da sua casa

O tratamento da água de uma piscina vai muito além de uma simples adição de cloro nela. Uma das questões que costuma ser ignorada pela maioria dos usuários é a presença de metais na água da piscina, um problema que altera a cor da água e pode até causar problemas de saúde nos banhistas.

Em geral, os proprietários só vão se dar conta da presença desses metais quando se deparam com uma coloração estranha na água ou mesmo quando já há alguns danos físicos na estrutura da piscina. Sim! Determinados metais reagindo com o cloro podem corroer estruturas metálicas da sua área de lazer.

Se você não quer ser pego de surpresa e quer aprender desde já como evitar a presença de metais na sua piscina, continue lendo este artigo.

Como os metais vão parar lá?

A água com que você enche sua piscina é limpa e transparente, mas isso não é o suficiente para atestar que ela está livre da presença de metais. Em geral, águas vindas de poços artesianos ou minas são ricas em metais como o manganês, cobre e ferro.

Mas existem outros modos de a água da sua piscina sofrer esse tipo de “contaminação”. Uma delas é a entrada de metais oxidados na piscina, muito comum quando banhistas perdem bijuterias ou grampos na água.

O problema também pode acontecer por causa de um tratamento químico errado, o que provoca a corrosão de componentes metálicos da piscina e a consequente contaminação.

É preciso ainda observar se algum produto químico de tratamento da água é à base de cobre ou se algum produto de jardinagem, com metais em sua composição, pode estar em contato com a piscina.

É fácil identificar a presença de metais na água da piscina?

Se você ainda não tem certeza ou gostaria de testar se a água da sua piscina está segura e livre de metais, você pode separar cerca de 250ml da água da piscina em um copo plástico, acrescentar uma colher de cloro, aguardar por uma hora e verificar se tem alteração na coloração da água.

Se houver mudança na tonalidade da água para preto, marrom, vermelho ou azul, sua água está contaminada. Os tons de amarelo ou marrom indicam a presença de ferro; já os tons de verde ou azul indicam manganês ou cobre.

Como resolver o problema?

A primeira opção é usar um controlador de metais. É um produto próprio para esse tipo de limpeza e deve ser aplicado com a alcalinidade entre 80 e 120ppm, e o ph entre 7,0 e 7,4. O cloro também deverá ser medido e estar entre 1 e 3 ppm. Com a piscina equilibrada, aplique a quantidade indicada pelo fabricante do controlador. Deixe agir por 8 horas e, caso ocorra o depósito de partículas sólidas no fundo da piscina, aspire-as.

Outra solução é fazer uma supercloração na água, com proporção de 20g de cloro para cada mil litros da água da piscina. É preciso deixar o produto agir por dois dias ou repetir o processo até que a cor da água esteja limpa. Você precisará ainda usar um decantador ou aspirador para remover as partículas sólidas do fundo da piscina. Evite esse método se sua piscina for de vinil ou fibra, já que o excesso de cloro pode desbotá-la.

Como vimos, a identificação e resolução da presença de metais na água da piscina são simples e rápidas. Você só não pode deixar de monitorar a água, já que alterações como essas acarretam problemas de saúde como vômitos, causados pelo ferro; febre, causada pelo cobre, diarreias (ferro e cobre) e até problemas neurológicos, oriundos da presença do manganês.

E se você quer saber mais sobre piscinas, instalação, tratamento da água e tudo o que envolve o assunto, entre em contato com a Tibum Piscinas.

Gostou do texto?
Receba tudo no seu email! Prometemos não enviar spam!

Confira também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *